14.2.07

Toujours

Por André Coruja
dO Meio do Mundo

Que eu não inunde os oceanos
de sóis a esfumaçar
como se no mais belo dia
você se cansar pra sempre
enquanto não dormir

Que eu não queira quem more longe
pra perpetuar a cor do sangue dos meus pais
como se a flor mais rara
brotasse entre pedras
e desabrochasse à noite

Que eu não desvie do impossível amor
apavorado pela rima dor
como se a língua trouxesse consigo
o beijo só pra ser dito

7 comentários:

Gigantomania disse...

Ei rapaz, vamos fazer algo com tal canção.
A única coisa irregular foi o bend de 1/2 tom desnecessário que tu fazes na progressão. :)

abs,
Berredo.

Buguela e o Sonho Feio disse...

não atualizas mais?
belo escrito.

Sempre Gabriela disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Flordeiaia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Didie Fadul disse...

mas deus fez os domingos e as madrugadas exatamente para isso.

como vai, meu jovem?
lembra-se de mim? amigo do camillo, do Aeroplano.

grande abraço.

Juliana disse...

Comentário excluído
Esta postagem foi removida pelo administrador do blog.

Juliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.